Início > Formula1 > Hungria: Corrida

Hungria: Corrida

Corrida emocionante em Hungaroring!

Quem diria, tivemos uma boa dose de competição neste domingo. Em uma corrida que fugiu da normalidade.

A ótima largada de Alonso o colocou à frente de Webber e quase ultrapassou Vettel. A Red Bull precisa melhorar nesse quesito, de nada adianta conseguir as melhores posições no sábado e perdê-las na largada.

A corrida, como sempre, ficou quente nas primeiras voltas, com Hamilton conseguindo recuperar a posição perdida para Petrov, num erro do russo. Mas pouco aconteceu até a entrada do safety car, na volta 15.

Nesse momento, Vettel viu sua liderança de 12 segundos ir para o espaço. Massa perdeu a 4ª posição para Hamilton, no box, e a Red Bull deixou Webber na pista, com a missão de abrir vantagem e voltar na frente de Alonso (algo que só o pessoal da globo não entendeu).

Ainda atrás do safety car, o evento que determinaria o vencedor da prova. Vettel (P2) fiocu muito longe de Webber, infringindo a regra que determina uma distância máxima entre 2 carros nessa circunstância. Essa distância equivale a 10 vezes o comprimento de um carro. Se este erro foi por ordem da equipe, ou falha de Vettel, ainda não sei. Além disso,  uma série de incidentes/acidentes apimentou ainda mais a corrida, como a liberação precoce de Kubica, causando colisão com Sutil, e a mal fixação de uma roda na Mercedes de Rosberg.

Com bandeira verde, Webber logo tratou de abrir a vantagem necessária, abrindo entre 1 e 2 segundos por volta (em relação a Alonso). O australiano, de pneus macios, segurou um pouco o rítmo para avaliar a condição de seus pneus, que duraram até a volta 38 de 70.

Em segundo, Vettel controlava seu rítmo, poupando pneu e motor, sem saber da punição que receberia. Quando anunciada a punição, houve claramente uma falha por parte dele ou equipe, seus tempos de volta não melhoraram, de fato, pioraram. É provável até que isso seja em função da revolta de Vettel com a punição.

Cumprida a punição (drive-through),Vettel voltou atrás de Alonso, em 3º, facilitando o trabalho de Webber, que abriu mais de 24 segundos e voltou tranquilamente em primeiro. Depois disso, a corrida para Webber foi mera formalidade e diversão, com um carro rápido e balanceado.

Hamilton (P4) abandonou a prova, provavelmente com problemas hidráulicos, deixando Massa numa tranqüila 4ª posição, sem condições de ultrapassar Vettel, e muito à frente de Barrichello.

A parte emocionante da corrida (além de ver o quanto aguentavam os pneus de Webber), ficou para as disputas “no final”. Vettel tentou ultrapassar Alonso por mais de 30 voltas, forçando um erro do espanhol. Essa missão, entretanto, era um tanto quanto ingrata. Não só pelo fato de Alonso ser (na minha opinião) o melhor piloto do grid, mas também palas características dos carros. O RB6 é muito balanceado, tendo como principal vantagem a eficiência aerodinâmica, gerando muito downforce com pouco arrasto. Perseguindo o adversário, toda essa vantagem vai para o espaço, mais que isso, o nível de downforce cai muito abaixo do da Ferrari, restando a aderência mecânica para superar o melhor carro nesse sentido. Mas Alonso foi impecável e Vettel acabou frustrado. Ao contrário do Galvão, achei Vettel corajoso em arriscar seus 15 pontos para conseguir 3 a mais. Webber, por exemplo, em nenhum momento pressionou Alonso.

A outra disputa foi entre os dinossauros

Barrichello, que viu sua estratégia arruinada pela entrada do carro de segurança, caiu para 11ª posição depois de colocar os pneus macios, na volta 56. O piloto que ele precisava superar para entrar na zona de pontuação era ninguém menos que seu antigo companheiro, Michael Schumacher. O alemão, com pneus duros e desgastados, guiava com dificuldades para marcar um ponto. Barrichello, andando rápido com pneus macios e novos, rapidamente chegou no hepta. Depois de algumas tentativas, finalmente consegue a ultrapassagem na reta dos boxes, quase colidindo com a mureta em função da “defesa efusiva” de Michael. Pelo rádio, Rubens sugeriu bandeira preta ao alemão.

Depois da corrida, foi anunciada punição com perda de 10 posições no grid para próxima corrida, em Spa-Francorchamps.

Espaço para os médios

Com abandono da Hamilton e Rosberg, fim de semana ruim de Button e Kubica, sobrou espaço na para quem normalmente fica no “quase”. O mais surpreendente do fim de semana foi Petrov (P5), que conseguiu superar seu companheiro experiente e talentoso desde o qualifying. Nico Hülkenberg (P6) teve uma corrida sólida e coroou o o trabalho da Williams. Sobrou espaço também para as DUAS Sauber, De la Rosa (P7) e Kobayashi em uma recuperação fantástica, largando em 23º para 9º.

Podium

Assim como na Alemanha, o podium teve um desanimado. Vettel, visivelmente irritado com a punição sofrida, nem comemorou.

Webber, por outro lado, era pura alegria, com seu já tradicional “pulo do canguru/sapo”. Estaria competindo com Barrichello pela comemoração mais ridícula? Deveriam ter aulas com Valentino Rossi.

Com o melhor carro, Red Bull não consegue concretizar o 1-2, mas pelo menos conseguiram a vitória.

Pos No Piloto Equipe Laps Tempo Grid Pts
1 6 M. Webber RBR 70 1:41:05.571 2 25
2 8 F. Alonso Ferrari 70 +17.8 secs 3 18
3 5 S. Vettel RBR 70 +19.2 secs 1 15
4 7 F. Massa Ferrari 70 +27.4 secs 4 12
5 12 V. Petrov Renault 70 +73.1 secs 7 10
6 10 N. Hulkenberg Williams 70 +76.7 secs 10 8
7 22 P. De la Rosa Sauber 69 +1 Lap 9 6
8 1 J. Button McLaren 69 +1 Lap 11 4
9 23 K. Kobayashi Sauber 69 +1 Lap 23 2
10 9 R. Barrichello Williams 69 +1 Lap 12 1
11 3 M. Schumacher Mercedes 69 +1 Lap 14
12 16 S. Buemi Ferrari 69 +1 Lap 15
13 15 V. Liuzzi Force India 69 +1 Lap 16
14 19 H. Kovalainen Lotus 67 +3 Laps 19
15 18 J. Trulli Lotus 67 +3 Laps 20
16 24 T. Glock Virgin 67 +3 Laps 18
17 21 B. Senna HRT 67 +3 Laps 22
18 25 L. Di Grassi Virgin 66 +4 Laps 21
19 20 S. Yamamoto HRT 66 +4 Laps 24
Ret 2 L. Hamilton McLaren 23 +47 Laps 5
Ret 11 R. Kubica Renault 23 +47 Laps 8
Ret 4 N. Rosberg Mercedes 15 +55 Laps 6
Ret 14 A. Sutil Force India 15 Acidente 13
Ret 17 J. Alguersuari STR 1 +69 Laps 17
Categorias:Formula1
  1. Felix
    04/08/2010 às 17:32

    Com informações de jornais europeus, algumas equipes da F-1 terão de reforçar a rigidez de suas asas dianteiras antes do GP da Bélgica.
    Red Bull e Ferrari, depois de tantas vantagens nas ultimas corridas, com as asas se movimentando visualmente a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) está sendo obrigada a realizar novos testes, dando quase um mês para que essas duas equipe reforcem onde são fixadas as asas fronteiras, para tentarem passar nos novos testes de carga e flexibilidade após acatar as reclamações de todas as outras equipes.

    “A FIA nos informou sobre a mudança nos testes de carga e nós vamos ter que reforçar totalmente essa área, penso que isso não afetará nossa competitividade”, teria dito um membro da Ferrari.

    • KBK
      05/08/2010 às 0:29

      Resta saber se isto não configura “mudança de regra durante o campeonato”. Mas se fosse isso acho que as equipes já teriam causado um alvoroço.
      Será que com isso McLaren volta à briga?

  2. Felix
    04/08/2010 às 10:32

    O chefe da Renault, acredita que a equipe vem tendo um desempenho muito melhor principalmente pela atitude positiva de Robert Kubica.
    “Competência, devoção e espírito de equipe, isso muda completamente o cenário, Kubica não divide a equipe, essa era a maior fraqueza no ano passado, a total falta de comprometimento dos pilotos”.
    Criticou a Renault e o bicampeão mundial Fernando Alonso.
    “Alonso de volta à Renault após a situação que ele criou na McLaren e tendo contrato já assinado com a Ferrari, Fernando sabia que iria sair, quase aniquilou a Renault, um piloto que é muito difícil de se trabalhar, bastante arrogantes e impulsionando a Renault na direção errada, foram os dois principais componentes do que estava errado, como divide tenho pena do ambiente na Ferrari, tanto a Renault e a Mclaren já passaram por isso”.
    “Kubica, trouxe novos ares e muita motivação, ele é muito dedicado e tem uma capacidade de unir”.

    • KBK
      05/08/2010 às 0:25

      Vai de encontro com a denifição do Hans Seeberg (um dos editores da F1Racing) numa recente matéria sobre o polonês:
      A velocidade de Kimi sem a pregüiça. A dedicação de Alonso sem problemas com companheiros de equipe.

      Na minha opinião, é o melhor da temporada, brigando com Hamilton.

  3. KBK
    02/08/2010 às 12:23

    Não deve ser nada fácil pro Webber. Mesmo se a Red Bull passar por cima da concorrência, superar o Vettel vai ser trabalhoso.

    • 03/08/2010 às 9:20

      Vai ser trabalhoso com certeza, mas até aqui ele mostrou que tem plenas condições de o fazer. E minha torcida é por ele esse ano.

  4. Felix
    01/08/2010 às 22:04

    Faltando ainda 7 corridas, para mim, mesmo se não vencer o campeonato, o piloto de 2010 chamasse Webber, com 4 vitórias e o mais espetacular acidente dos últimos anos, desmascarando sua equipe que queria colocar Vettel como primeiro piloto, mostrando dentro da pista que é um grande piloto e que não faz papel de vaquinha de presépio.
    Imagino que não deve aparecer nenhum piloto para fazer frente a suas conquista.
    Hungria, podemos dizer sem medo de errar, as três ultrapassagens que merecem serem lembradas a história dessa pista, são de três brasileiros, Piquet sobre o Senna, Senna sobre o Prost e essa de hoje, Rubinho sobre o Michael.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s